Incorporação

Indicadores nacionais apontam alta em vendas e lançamentos imobiliários 


Produção e consumo crescem ano a ano desde 2016 e puxam recuperação do setor
Sudeste foi destaque em lançamentos e vendas 

O Brasil registrou em 2019 uma alta de 15,45% nos lançamentos e de 9,7% nas vendas de imóveis  residenciais novos, em relação a 2018 – melhor resultado anual dos últimos quatro anos.

Os números integram o estudo Indicadores Imobiliários Nacionais do 4º Trimestre de 2019, realizado desde 2016 pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional), divulgados em 2/3, em Brasília.

Foram analisados os dados de 90 municípios brasileiros, sendo 17 das maiores cidades, como São Paulo, Belém e Porto Alegre, e 73 outros municípios incluídos em 10 regiões metropolitanas (RM) de capitais, a exemplo de Aparecida de Goiânia, RM de Goiânia, em Goias, e Olinda, RM de Recife, em Pernambuco.

As altas de 2019 foram reforçadas no  4º trimestre, quando os lançamentos de imóveis cresceram 28,3% em relação ao 3º trimestre e 8,4% frente ao 4º trimestre de 2018. As vendas de outubro, novembro e dezembro de 2019 também cresceram 13,9% quando comparadas à de julho, agosto e setembro do mesmo ano, e 9,7% frente ao mesmo período de 2018.

Lançamentos – Em números absolutos e relativos, a amostragem de lançamentos do Sudeste do país foi a que obteve a maior variação positiva no último trimestre. As entregas passaram de 21.036 imóveis em julho, agosto e setembro para 31.965 imóveis em outubro, novembro e dezembro, alta de 52%. Na comparação com o mesmo período do ano passado (30.093), a variação foi de 6,2%. Houve também alta de 19,18% entre todos os lançamentos dos municípios pesquisados na região no resultado anual, entre 2018 (68.804) e 2019 (82.003). 

Vendas – Em números absolutos, o aumento nas vendas também foi expressivo nos municípios analisados dos estados do Sudeste. Foram 23.001 unidades habitacionais adquiridas no 4º trimestre de 2019, alta de 20,2% em relação ao 3º trimestre anterior (19.978 vendas) e de 8,6% na comparação com o 4º trimestre de 2018 (21.184). Foi registrada elevação também de 19,33% entre todos as vendas dos municípios pesquisados na região, na comparação entre 2018 (62.375) e 2019 (74.435).

Oferta final e preço médio – Depois de quase três anos em queda, a oferta final disponível de imóveis novos voltou a crescer em 2019. Ela representa a diferença entre a quantidade de lançamentos e vendas. Dentro da amostragem, o número variou de 165.323 imóveis disponíveis em média, ao longo dos quatro trimestres de 2016, e fechou 2019 com uma média de 134.751 unidades habitacionais durante 2019. O tempo de escoamento final, pela média de vendas, que chegou 21,6 meses em 2016, se estabilizou ao longo do ano passado e ficou acima dos 12 meses. O fator pode influenciar no preço do imóvel, por fatores de mercado.

Com informações da CBIC


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • Universidade Secovi-SP
  • Gentilezas Urbanas
  • Núcleo de Altos Temas