Administração de Condomínio

Índice de Custos Condominiais fica abaixo do IGP-M


Com variação de 5,16% em 12 meses, o Icon foi inferior ao IGP-M (7,81%) apurado no mesmo período
   Os itens Manutenção de Equipamentos e Diversos atingiram a maior variação
   com 7,82%, seguidos pelo grupo Conservação e Limpeza, com 7,30%.

Estudo realizado mensalmente pelo Secovi-SP mostra que o Índice dos Custos Condominiais (Icon) na Região Metropolitana de São Paulo apresentou uma variação de 5,16% no acumulado em 12 meses (fevereiro de 2019 a janeiro de 2020).

Esse percentual é inferior ao IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), apurado pela Fundação Getúlio Vargas, que ficou em 7,81% no mesmo período. Em janeiro, o Icon manteve a estabilidade, variando 0,10%.

No período de fevereiro de 2019 a janeiro de 2020 os itens Manutenção de Equipamentos e Diversos atingiram a maior variação com 7,82%, seguidos pelo grupo Conservação e Limpeza, com 7,30%. Já o item Tarifas subiu 6,63% e Pessoal e Encargo aumentou 3,92% nos últimos 12 meses.

Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, ressalta que o Icon serve como parâmetro das variações de custos dos condomínios residenciais, mas não deve ser utilizado como índice de reajuste da taxa condominial. O síndico, orienta Gebara, deve consultar a sua administradora para, em conjunto, verificar os aumentos reais dos custos do seu condomínio.

“Importante reforçar que cada prédio tem característica e estrutura próprias, que devem ser respeitadas, para que não ocorram desequilíbrios nas contas e os condôminos sejam prejudicados”, afirma.

Confira a íntegra do estudo sobre o Icon de janeiro.

 

Autor: Assessoria de Comunicação - Secovi-SP


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • Universidade Secovi-SP
  • Gentilezas Urbanas
  • Núcleo de Altos Temas