Coluna Secovi

Ética, um valor inegociável

Carlos Borges
Carlos Borges

Implementar programas de governança corporativa e compliance em empresas de médio e pequeno portes pode parecer um desafio difícil de ser atingido, mas é perfeitamente viável. A iniciativa requer uma série de adequações e a implantação de novos processos, que devem ser incorporados no dia a dia do corpo diretivo, dos colaboradores e daqueles com os quais a empresa se relaciona. Trata-se, acima de tudo, de uma mudança de comportamento, que resulta em incontáveis benefícios.

Dentre as razões que inspiram qualquer empresa a optar pela implementação de um programa desse tipo, está a identificação dos sócios com os princípios básicos de governança, que envolvem transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. Medidas simples, aparentemente fáceis de adotar e que agregam valor ao negócio. No entanto, o programa implica em gestão de risco (as penalidades previstas na Lei Anticorrupção são severas), gerenciamento da reputação e conduta ética.

Para se combater a corrupção, é importante haver, simultaneamente, dois sistemas: um que previna e puna não conformidades e outro que aumente o capital cívico da empresa (cultura e valores). Nesse sentido, são recomendáveis ações como, por exemplo, a criação de um comitê de compliance, um canal de denúncias (anônimas e não anônimas), bem como treinamentos periódicos e demonstrações de valor.

Atitude coerente entre discurso e prática por parte da liderança também faz muita diferença, uma vez que influencia favoravelmente os colaboradores e promove um clima interno mais positivo. Nesse processo, vale reforçar e recompensar comportamentos adequados e prever punição exemplar no código de conduta.

A implementação de governança corporativa e compliance em empresa de qualquer porte representa um diferencial, um salto de qualidade, uma questão de sobrevivência sob uma visão de longo prazo. Não se trata apenas de fazer o bem, mas de fazer bem, com transparência e responsabilidade (econômica, social, ambiental). Envolve primordialmente aspectos ligados à ética, um valor não negociável, simpático aos olhos da sociedade e fundamental a qualquer tempo, sobretudo nesse que hoje vivemos.

*Carlos Borges é vice-presidente de Tecnologia e Sustentabilidade do Secovi-SP


Acessibilidade em condomínio - Com o objetivo de difundir informações sobre como, onde e porque fazer adaptações para tornar o condomínio acessível, o Secovi-SP (Sindicato da Habitação) promove na próxima terça-feira (30/5), a partir das 18 horas, mais uma edição do Ciclo de Palestras Secovi-SP. A iniciativa é gratuita e destinada a síndicos, subsíndicos, conselheiros, funcionários de condomínios, empresários e profissionais de administradoras, que podem doar agasalhos para a Campanha Pé Quente São Paulo do Ampliar, programa de responsabilidade social do Secovi-SP. Mais informações e inscrições: www.secovi.com.br ou (11) 5591-1306.

Convenção Secovi 2017 – O setor imobiliário deve se preparar para um novo ciclo. Com o tema “Virando a página”, a Convenção Secovi traz nomes, palestras e caminhos para ajudar o mercado a escrever uma nova história. Reconhecido como dos mais importantes eventos nacionais na área, a iniciativa acontece de 26 a 29 de agosto. Mais informações em www.secovi.com.br.

24 de maio de 2017

Leia as colunas anteriores


  • Ampliar
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi Condomínios
  • Universidade Secovi-SP
  • Núcleo de Altos Temas
  • Gentilezas Urbanas