Coluna Secovi

Elie Horn: um homem de bem com o bem

Elie Horn encontrou maneira simples de definir porque estamos neste planeta: “Estamos aqui para fazer o bem”, resume o fundador da Cyrela, e um caso singular na história empresarial do Brasil. Afinal, Horn decidiu doar 60% de sua fortuna pessoal para a filantropia. “Jamais, em tempo algum, qualquer outra pessoa fez algo parecido no Brasil.” Foi assim que Romeu Chap Chap, coordenador do NAT - Núcleo de Altos Temas do Secovi-SP, definiu a figura do palestrante convidado para reunião ocorrida em 17/9, na sede da instituição.

Léa Terra, diretora do Ampliar, agradece a Elie Horn pelo apoio


Flavio Amary, presidente da entidade, aduziu que conhecer os projetos do empresário, notadamente na área da filantropia, campo em que atuam o Instituto Cyrela (voltado à qualificação de seus funcionários e familiares destes) e o Instituto Liberta (dedicado ao combate à exploração sexual infantil e apoiado pelo Secovi-SP), é no mínimo inspirador. “Uma aula de ética, que nos leva a pensar no bem e a fazer o bem”, disse, lembrando que a Cyrela é uma das principais mantenedoras do Ampliar, projeto social do sindicato.

E como veio falar sobre o bem, Elie Horn iniciou sua participação no evento promovendo o bem: na hora, chamou os presentes a contribuir com o Ampliar. Mais: dobrou o já substancial valor arrecadado.

“Comecei a trabalhar cedo. Embora minha família não fosse rica, meu pai doou o pouco que tinha para a caridade. E minha avó, que nem cheguei a conhecer, dedicou o que tinha para criar um orfanato. Aprendi pelo exemplo. E, após 15 anos sendo ateu, descobri Deus e vi que doando para a caridade correspondemos ao que Ele espera de nós”, relatou. Elie Horn provocou a todos com perguntas sobre o que Deus espera do ser humano. “Deus nos criou por uma razão: fazer o bem. Não importa a religião”, afirmou o empresário que acaba de instituir mais dez organizações não-governamentais, com foco na educação, apoio aos idosos, meio ambiente, combate à pobreza e à corrupção, dentre outras áreas. “Por que dez de uma vez? Porque tenho a ambição do bem. Há um mundo eterno. Quanto mais você doa, mais você leva.”

Sobre o segmento imobiliário, Horn defendeu que o setor faça uma paralisação de dois dias. “A classe dos incorporadores não é bandida. Por que somos tratados assim pelos governos? A paralisação tem por objetivo fazer com que sejamos ouvidos.”

Indagado sobre ideias para o Brasil, foi categórico:“Enquanto houver corrupção não será possível governar. A corrupção cega. É a raiz de todos os problemas”.

No Secovi, general Mourão defende democracia
 

General Mourão ladeado por Romeu Chap Chap e Flavio Amary


O Brasil precisa resgatar a grandeza de valores como verdade, liberdade, lealdade e responsabilidade na vida pública e privada. Quando assim todos procederem, o País retomará o rumo”, destacou o general Hamilton Mourão,  candidato  a vice-presidente da República na chapa de Jair Bolsonaro, em encontro do Ciclo de Debates Eleições 2018, promovido pela mobilização empresarial Reformar para Mudar, dia 17/9, na sede do Secovi-SP.

O convidado analisou os vários problemas que atingem a Nação. Defendeu as reformas estruturais e o compromisso com a democracia e o livre mercado. “Aos governantes, cabe assegurar a ordem para que a sociedade providencie o progresso”, resumiu.

Leia as colunas anteriores


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • Universidade Secovi-SP
  • Gentilezas Urbanas
  • Núcleo de Altos Temas